Espaço dos leitores

Ponte Europa/ Pitecos - Zédalmeida

Comentários

e-pá! disse…
As frequentes e assiduas notícias sobre despedimentos de trabalhadores deveriam ter um tratamento mais cuidado por parte do governo e ser uma bandeira (não eleitoral) dos partidos políticos.

De nada vale falar sobre a taxa de desemprego homóloga quando, o horizonte do futuro, no mundo do trabalho, é cada vez mais negro e trágico.

Cito isto a propósito da notícia do encerramento da fábrica de Nelas da Johnson Controls. Neste momento com 650 trabalhadores, daqui a 9 meses, não haverá um.
Nelas não é um grande centro urbano, nem um polo comercial e industrial com dimensão suficiente para, autonomamente, encaixar este "choque".
As consequências indirectas - os agregados familiares e os dependentes - do previsto despedimento colectivo dos 650 trabalhadores deve ser vasta e catastrófica.

O meu comentário questiona, o que podemos chamar, os deveres sociais do Estado.
Penso que, dada a dimensão do concelho de Nelas, deveria ser decretado aí o estado de calamidade(pública e social).
As situações de calamidade não podem ficar reservadas para as intempéries sobre os cultivos (imundações ou secas).
O estado de calamidade deve funcionar, em primeiro lugar, para proteger o homem.
No infortúnio, deve trazer meios para os portugueses manterem a dignidade.
Ou melhor, possibilitarem viver (sobreviver) com dignidade.

Tenho muita pena de contrariar os novos ideológos portugueses mas tenho a certeza, que não pode ser o "normal" funcionamento do mercado, a sua solução.

Todos os dias assistimos -conformados?/inconformados? - ao paulatino desmantelamento dos pilares sociais do Estado.
Na área laboral, na Educação, na Saúde, etc.
Nunca tivemos uma segurança social forte e abrangente. Estamos em risco de a debilitar mais.
E, assim, comprometer o presente e o futuro. Não por causa da economia, da sustentabilidade, dos indices de produtividade, etc., mas pelo Homem.
Temos de interiorizar que a fome é inimiga da liberdade.
O que parecendo restricto é enorme.

Para onde vamos?
e-pá! disse…
Hoje o ministro Ccorreia Campos no H. Sta Maria (Lisboa), onde foi inaugurar novos pavilhões de consulta externa, perante uma assembleia de médicos e de outrosprofissionais de saúde dessa instituição, "iluminou-se" e concitou o riso da assistência, com umas tiradas salazaristas, que se podem resumir, assim:

- "pobrezinhos mas felizes"...
mais adiante, peorou sobre:
- "...é mais importante sentir a recompensa e a satisfação pelo dever cumprido do que pensar na carteira" (a)

Para um professor de economia da saúde tais slogans tornam-o suspeito se anda a ler alguma bafienta cartilha do homem de Sta Comba. Ou, em alternativa, se entrou para alguma ordem mendicante...

Os funcionários públicos compreendem as dificuldades do País, mas não perdoarão a quem anda a gozar com eles. Ao contrário do que sucedia no tempo da "velha senhora", hoje há (de 4 em 4 anos) a oportunidade de
penalizar estes "cromos".
Passará, no juízo deste senhor, a ser necessário aos funcionários públicos um voto de probreza em substituição da famosa declaração de repúdio ... do tempo fascismo.

Não sei se estes conceitos tão lineares, vem na tal cartilha...

(a) - Referia-se ao congelamento dos salários (de 2007) dos médicos que trabalham no SNS.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido