PSD de cabeça perdida


O líder parlamentar do PSD, Paulo Rangel, classificou como "infelizes e insensatas" as declarações de hoje do primeiro-ministro, que acusou de "oportunismo político" a oposição nas reacções à manifestação de sábado dos professores, criticando a atitude de José Sócrates de "meter a cabeça na areia" em vez de resolver os problemas do país.

Comentário: O PSD é tão errático na oposição que se imagina o perigo de ser Governo.

Comentários

e-pá! disse…
Um sábado outonal e...quente!

O PSD nunca percebeu os movimentos sociais, profissionais, sindicais ou outros.
Os sindicatos eram ajuntamentos de comunistas e filo-comunistas ansiosos da perturbação daqui que a Direita considera sagrado: a Ordem pública.
E não vale a pena passar disto em relação ao PSD.

Mas, há outro problema. As manifestações são contra alguma coisa. Excepto as de "desagravo" ao Paulo Portas.
E começamos a estar todos fartos das interpretações redutoras de Sócrates sobre manifestações considerando-as um mero "direito dos trabalhadores". Ponto final.

Para outros, o sindicalismo - quando estão no poder - é um estorvo. Na Oposição é diferente.

Muitos ainda andavam de cueiros quando o PS organizou a manifestação da Fonte Luminosa.
Bem sei que os tempos eram outros. Mas as movimentações políticas, profissionais ou de protesto têm, sempre, em qualquer época, um determinado peso político. Esta não foge à regra.

O PS, em relação aos problemas da avaliação dos professores tem tratado o assunto com os pés.

Primeiro, antes que venham demagogias, é preciso afirmar que os professores, da carreira do ensino púbico, não se cansam de afirmar que aceitam um novo quadro de avaliação.

O problema é a actual grelha que rejeitam, por razões que querem ter oportunidade de explicar.

O Governo acha que já não há tempo para renegociar a grelha.
Começou a trabalhar nesta há 2 anos e não está disposto a revê-la.
A sua aplicação, como está, não é discutível. Em democracia nada é indiscutível.
Finalmente, numa de assomo democrático, admite que pode, entretanto, vir a sofrer "melhoramentos". Esta inocente concessão do tipo ser politicamente correcto, significa, per si, que a metodologia de avaliação não está concluída ou, no limite, não será satisfatória.

Esta posição não se coaduna com uma democracia aberta e moderna.
Há no Governo dificuldades de compreensão democrática.
O evento de ontem foi, antes de tudo, uma grandiosa manifestação cívica.
Como algumas personalidades socialistas compreenderam.

É curioso que o Governo quando há greves tem logo números, mas nesta manifestação não sabe quantos estavam, nem quer saber.
A PSP, esteve lá, zelando pela segurança durante a ordeira manifestação e que não resiste a mandar palpites sobre o quantitativo de manifestantes (com maior ou menor margem de erro), nomeadamente, quando as mesma ficam aquém das expectativas.
Desta vez, não sabe de nada, nem quer saber.
Mas a manifestação foi divulgada pela comunicação social, os cidadãos foram testemunhas, os outros pilares do poder, também.
Não vale a pena esconder o sol com uma peneira.
Como não é tolerável que o Governo (ou alguns dos seus membros) considere esta manifestação uma forma de pressão sobre o governo. As manifestações são expressões democráticas conjugadas por interesses comuns.

É tão errado pensar que se pode governar a partir da rua, como desvalorizar o que a rua pode representar politicamente.

Avaliação, sim! E, necessariamente, diferente da que se fazia até aqui.
Mas a actual, trabalhada nos gabinetes do ME, desde há 2 anos, não colhe o apoio dos professores. Não vale a pena iludir a realidade.

Na Educação nada se fará, de válido, de consistente, contra o entendimento dos professores e sem a sua colaboração e entrega.
A saída significativa de docentes experientes e com aptidões pedagógicas mais do que testadas, solicitando uma aposentação antecipada, por não suportarem o clima actualmente instalado nas Escolas, deveria fazer o ME parar, para pensar.

É necessário, tanto ao ME, como aos sindicatos, como aos professpores individualmente, algum tempo, para digerir este último fim de semana.
Muitos professores que estavam em Lisboa votaram PS. Hoje estão convictos que a abertura ao diálogo morreu com a saída de Guterres. Deixaram de reconhecer-se no PS.

Mas Portugal é um Pais moderado, de brandos costumes.
Quem se mostrar inflexível, perderá.
Mais cedo do que está a pensar.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975