Equívoco

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, D. Jorge Ortiga, lamentou hoje, no Porto, que "o pensamento do Santo Padre esteja a ser maltratado" na questão do uso do preservativo.

Comentário: Quem está a ser maltratado, pelo pensamento/crença papal, é o preservativo.

Comentários

FPtrad disse…
A Igreja católica portuguesa parece-me bastante dividida relativamente a este assunto...
ahp disse…
De facto a Igreja católica está muito dividida quanto a este assunto: enquanto o Papa condena todo e qualquer processo anticoncepcional que não seja a castidade, mais de 90% dos ditos católicos usam preservativos, pílulas, etc., mas continuam a dizer-se católicos,a papar a hóstia e a idolatrar o Papa. Depois confessam-se e, a troco de meia dúzia de padre-nossos e outras tantas avé-marias, o Bom Deus perdoa-lhes o "pecado"!
e-pá! disse…
CE:

Não é o preservativo que está a ser maltratado.

É a Saúde Pública!

O que é exasperante´são os malabarismos dos altos dignitários da ICAR.

A teoria é: Quando o papa diz enormidades elas só o serão, porque os vis mortais não conseguiram integrar no sue contexto.

No dia em que o papa falar claro, abandonando o seu vício epistolar alegórico que, pretende transformar o Mundo numa parábola à maneira bíblica, verá que dispensamos as suas "moralidades" ou, se quisermos ser claros, as suas "imoralidades", como foram as suas declarações sobre o uso do preservativo na prevenção da SIDA.

Tem sido sempre assim, desde Ratisbona.
Só que imediatamente após o incidente de Ratisbona, a diplomacia do Vaticano não dormia a pedir desculpas e a esclarecer os muçulmanos.

No caso do preservativo, perante a condenação dos Mundo, o Vaticano desdobra-se em efabulações...

Então os bispos portugueses a começar do capelão das FFAA's Jorge Ortiga e a acabar no de Viseu, tem sido uma no cravo outra na ferradura.
Neste momento, de tanto malhar em ferro frio, o visado já deve estar manco...
ana disse…
É isso mesmo, ahp. Ser católico é um título que se usa porque sim, sem se pensar no seu significado e sem consequências na prática. Eles fazem de tudo, do contraceptivo ao aborto, depois confessam-se e voltam a pecar no dia seguinte. E fazem casamentos religiosos e festas de baptismo porque acham as cerimónias bonitas. Enfim...
FPtrad disse…
"Ser católico é um título que se usa porque sim, sem se pensar no seu significado e sem consequências na prática. Eles fazem de tudo, do contraceptivo ao aborto, depois confessam-se e voltam a pecar no dia seguinte. E fazem casamentos religiosos e festas de baptismo porque acham as cerimónias bonitas."

É exactamente isso... muitas pessoas são católicas "porque sim". No entanto, respeito quem acredita realmente, apesar de não acreditar.
FPtrad disse…
correcção: "apesar de eu não acreditar".

Mensagens populares deste blogue

Nigéria – O Islão é pacífico…

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …