O Papa Ratzinger e o proselitismo

O porta-voz do Vaticano, Frederico Lombardi, disse que a morte por esmagamento dos dois jovens angolanos no Estádio dos Coqueiros, em Luanda, causou "dor e desconcerto" ao papa Bento 16 e à comitiva papal.

Não é legítimo pôr em causa o sofrimento do Papa sensibilizado pela legião de fãs. Certamente que a forma exótica como se veste, os adereços que usa e a coreografia da missa, destinada a centenas de milhares de curiosos, o convertem numa estrela Pop capaz de provocar a histeria colectiva que produziu os acidentes. Ainda assim, foram em menor número dos que frequentemente são atropelados a caminho de Fátima nos dias das peregrinações.

Uma só morte, em particular de um jovem, é motivo de compungimento mas não podemos exagerar na tristeza. No dia que, em Luanda, morreram dois jovens que desejavam assistir à missa do Papa, faleceram em África centenas de jovens vítimas da fome, da sida e do paludismo, sem missa, incenso ou água benta.

O Papa, depois de solicitar aos africanos para que deixassem a bruxaria e se tornassem católicos, transformou, à sua frente, no Estádio dos Coqueiros, água de Luanda em benta e rodelas de pão ázimo em corpo e sangue de um deus que foi homem há dois mil anos e era filho biológico de uma pomba e de uma mulher virgem.

Só um crente é capaz de ter suficiente subtileza para apreciar as diferenças.

Comentários

Stefano disse…
o papa adora erguer o braço direito desta maneira.... Deve estar com vontade de fazer saudação "heil"

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975