Momento de poesia

Dissertação sobre a carta de marear


Enganei-me em todos os caminhos

atravessei todas as pontes

para percorrer as margens deste rio

tu só já podes reconhecer as pegadas

que deixei nos trilhos antigos

quando as palavras emudeceram

contra os muros dos teus silêncios

(como se a pedra fosse gelo)

nenhuma ausência dói tanto

como aquela que não tem fim

nem destino, nem um sentido marcado

nas pontas da rosa-dos-ventos

ou numa rota segura e certa

na tua carta de marear.

Alexandre de Castro

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975