Pensando em meu pensamento...



Passos Coelho considera “uma pouca vergonha” que “o homem nomeado pelo Governo” de António Costa para a administração da TAP [Diogo Lacerda] seja quem defendeu o interesse público, negociando o processo de reversão da privatização da transportadora.

Não lhe merecendo reparo a nomeação para chairman da TAP, de Miguel Frasquilho, destacado membro do PSD, partido que quis privatizar tudo, e que constitui a nódoa no novo Conselho de Administração, ainda acrescentou que a nomeação do primeiro “fica tão mal a quem aceita como a quem nomeia”.

Quando a noção de serviço público chega a este extremo, é natural que esqueça os que negociaram as privatizações e foram os escolhidos pelos novos donos para continuarem a assegurar os interesses privados ao serviço dos quais estiveram no seu Governo.

Não é falta de vergonha, é a decadência ética e a ausência de sentido de Estado de quem transformou o Governo numa sucursal dos interesses privados.

Comentários

victor sousa disse…
estes comentários servem à saciedade para nos apresentarem a personagem. E o que se V~e é um individuo sem escrúpulos, desnorteado, pensando que os outros cidadãos do país são néscios. Tirando os amigos e apaniguados dele, mas isso a gente já viu que ele não ataca! Catroga é só um ínfimo exemplo. Haverá ainda quem dê algum crédito a este personagem?
Manuel Galvão disse…
Compacto, conciso. Numa palavra, excelente!

Mensagens populares deste blogue

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Nigéria – O Islão é pacífico…

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …